Últimos acontecimentos

Não posto mais há alguns meses devido preponderantemente dois fatores:

  • Não poder mais aportar devido a questões financeiras ; e
  • Eu ter assumido a chefia de um setor.

O órgão público agindo com aquele estilo de gestor formado em Harvard abaixou o salário do meu ex-chefe, que era quem levava o setor nas costas e, manteve o salário de um monte de péssimos profissionais.

Naquele momento, pensei, como único remanescente do setor que eu estava ferrado, haja vista o volume da demanda ser massivo e eu não ganhar nada mais por aquilo.

Incrivelmente, consegui ressignificar minha visão perante meu contexto e o encarei como um desafio. Então, fixei o seguinte propósito: assumirei todas as responsabilidades de meu antecessor e farei muito mais e muito melhor.

Trabalhei dia e noite, frequentemente, nos fins de semana e feriados. Trabalhei com suporte, redes, banco de dados, desenvolvimento, forense, projetos, segurança, administração, liderança e tudo o mais: um exército de um homem só.

Depois de alguns meses de dedicação total acabei por me apegar ao serviço e consegui várias coisas: consegui trazer um excelente profissional para meu ajudar, consegui que fossem adquiridas 21 estações de trabalho, impressoras, hds externos, firewalls, switchs, storages, licenças de vmware, veem, cursos de computação forense, inteligência, contra-inteligência, infra-estrutura ágil, um sistema investigativo sensacional premiado nacionalmente e a concepção de projetos de software.

Estava tudo indo bem até que decidi pedir o cargo de chefia de meu setor, que estava vazio. Ora, eu estava trabalhando como chefe e, então, deveria receber como um. Há dois fins de semana eu precisava configurar uma conexão VPN para viabilizar que um profissional da equipe trabalhasse remotamente. Passei sábado e domingo trabalhando e, pela segunda-feira de manhã viajei programando o retorno para terça-feira.

Mesmo sendo muito exigido, eu gostava muito do meu trabalho. Eu tinha muitos planos. Chegando ao meu destino, recebi a notícia que haviam mudado a minha lotação – o chefe do órgão me demitiu porque pedi o cargo.

A gestão é tão bem feita que ele nem sabia qual era o meu trabalho e me demitiu. Não me preocupo de manter meia dúzia de sistemas de merda no meu novo setor, mas sinto muito pelo que será perdido pelo meu antigo setor, que eu prezava demais.

Todos os equipamentos e softwares se encaixam na minha cabeça num grande projeto. O setor é investigativo e eu estava projetando ter visibilidade nacional. Eu sabia como seria o backoffice, o front, como os equipamentos seriam encaixados, a interface… todo o quebra cabeças. A estação forense que consegui seria a entrada de uma perfeita cadeia de custódia gerida por uma biblioteca virtual de evidências forenses.

Enfim, eu sonhava com todas as engrenagens. Agora, sem mim, temo por tudo se perder. Afinal, tudo está na minha cabeça. Falei muitas vezes sobre como eu via aquele lugar num futuro próximo, mas percebi que ninguém dava ouvidos, pois sempre me perguntam sobre isso.

É uma pena que não haja uma real gestão no serviço público. Para eles, existem alguns tipos de funcionários. O funcionário péssimo é o que trabalha. O funcionário ruim é aquele que estuda, porque, ironicamente, deveria estar trabalhando… ou não??? Sei lá… Agora, o mais surpreendente é que o excelente funcionário é aquele que passa o dia no Facebook fingindo que trabalho e é sempre assim.

Tem gente que se aposenta vendo pornografia e facebook o dia inteiro nos computadores dos órgãos públicos e quem trabalha não tem o menor valor. Que merda é esse Brasil.

O aporte foi em ações

Comprei 18 ações da Arezzo. Para mim, empresa boa é a empresa que dá lucro. Em que pese o seu valor de mercado não seja tão grande, a empresa lucra.

Vendi Odontoprev

Há um tempo, estava duvidando do negócio da Odontoprev no longo prazo e resolvi vendar as ações da empresa (700). Com o dinheiro, pulverizei em várias ações e fundos imobiliários.

Gostei do efeito. Agora, o que acontece é que sempre tem um pingado na conta da corretora devido a grande quantidade de papéis.

Meu objetivo é ter entre 50 e 60 papéis distribuídos em igual número entre ações e fundos imobiliários: Haja pinga-pinga!

Valorização da carteira

Estava em viajando para a casa da família no final do ano e, quando retornei meu patrimônio havia se valorizado dramaticamente: obrigado Bolsonaro! Espero que ele continue me ajudando a ser o próximo novo rico desse pais de mierda.

Em que pese minha esposa tenha me convencido de vender 500 ações da Itaúsa, ainda tenho muito mais patrimônio que antes de eu vender e essa é a beleza da renda variável!!!

A Carteira Atual e os pinga-pinga

No momento, estou com uma grande preguiça de colocar a carteira aqui. Amanhã ou depois devo ter coragem para isso. Por enquanto, posso dizer que há quase 50 papéis.

Todo o pinga-pinga, que é pequeno vai direto para FLMA11. Pena que ele tem se valorizado bastante. Agora, vou poder comprar menos deles, mas é para lá que vai até inteirar uns 10.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s